Corinthians: Preto no Branco


Estádios de Papel
setembro 4, 2008, 8:55 am
Filed under: Uncategorized

O sonho corinthiano da casa própria já teve muitas versões. Estipula-se que ao longo dos anos, pelo menos sete vezes, já tenham sido apresentados projetos de estádio por presidentes alvinegros. Já é tradição no clube, presidente empossado deve ter a sua maquete de estádio. Vicente Matheus chegou a apresentar um estratosférico, o Coringão, para 200 mil torcedores. Seria o maior estádio do mundo – o Maracanã já estava ‘encolhendo’ neste período.

Caso o leitor tenha interesse em acompanhar a história dos estádios nunca construídos ao longo do tempo, segue um link que ilustra o assunto: http://www.estadao.com.br/interatividade/Multimidia/ShowEspeciais!destaque.action?destaque.idEspeciais=525

Por hora, analisaremos os projetos atuais que envolvem o sonho da casa própria do Timão, já que o momento parece oportuno para a construção de um estádio: estamos na iminência de uma Copa do Mundo no país e há um “boom” no setor de construção civil. Lembrando que não tenho propriedade na área de planejamento geográfico para empreendimentos, apenas, debati exaustivamente o assunto ao longo do tempo, inclusive, com pessoas da referida área.

Ao ver mais um sonho naufragar, após o fracasso do projeto com o consórcio Egesa/Seebla, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, disse que não se fala mais no assunto enquanto não houver nada de concreto, para não machucar mais o torcedor que já foi muito iludido. No entanto, parece que o presidente já está tratando de negociar nova tentativa. Veiculam por aí que Sanchez teria incumbido o empresário argentino Juan Quirós, ex-executivo de Lula e atualmente um dos vice-presidentes da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) de negociar com investidores interessados em erguer um estádio pro Timão. De acordo com o Estadão, no ano passado Quirós foi designado por Lula para tratar com o russo Boris Berezovski (da MSI), que estava interessado em investir no Brasil. O interesse dele era levantar um estádio e atuar na área de aviação. Berezovsky ouviu de Quirós que já havia investidores interessados em levantar uma arena em São Paulo, de olho na Copa 2014, os mesmos de agora.

Enfim, quando se fala em estádio do Corinthians, tenho apenas uma reação: esquiva. Não busco saber o que estão inventando agora, não gosto de servir de chacota para rivais que adoram tripudiar em cima do sonho alvinegro, tampouco quero me iludir mais uma vez. E pra mim, enquanto forem estas pessoas a dirigir o clube, o estádio não será erguido. No máximo, pode haver alguma tentativa com dinheiro da máfia russa mesmo.

E mais, quando falam em estádio na Marginal Tietê ou em Itaquera tenho ainda mais repulsa. Me parece claro que ambos são locais impróprios para construção de uma arena ou estádio, explico porquê:

Estádio na Marginal – Não há muito a comentar. Numa região já tão populosa e congestionada é nítida a inviabilidade de um obra desse porte. Especialistas no assunto comentam que o improvável alvará da prefeitura não sairia em menos de dois anos, o que por si só, já inviabilizava a idéia do consórcio Egesa/Seebla + diretoria atual do Corinthians.

Estádio em Itaquera – Aqui os pontos de discussão são vários. Primeiro, o terreno em Itaquera, na Zona Leste de São Paulo, precisaria de alguns ajustes para que se colocasse um estádio lá, como por exemplo, desvios de tubulações da Petrobrás. Feito isto, um estádio nesta região seria ainda, finaceiramente viável de se construir, mas financeiramente inviável em termos de retorno. Afinal, Itaquera possui aquele terreno vago ao lado do metrô, que não só o Corinthians, mas empreendimentos de qualquer tipo não se mostram empolgados em ocupar, isso numa cidade onde cada palmo é disputado para grandes negócios.

Depois há de se analisar outros pontos como: A distância do centro, que além de tudo faria com que, ironicamente, a maioria dos trabalhadores da região que tem seus empregos no centro, dificilmente chegassem a tempo de ver os jogos ao lado de casa, assim como os trabalhadores do centro de todas as demais regiões, além de precisarem se deslocar até Itaquera, ainda teriam de voltar depois para os outros extremos da cidade.

Ainda, Itaquera fica na região de menor renda per capita da cidade e distante da região de maior renda per capita. Considerando que o Corinthians não pensará em construir uma arena para cobrar R$15 Reais a arquibancada, mas sim, visando obter retorno nos setores mais caros como cadeira cativa e camarote, inviabiliza Itaquera, que praticamente restringiria seu acesso ao metrô. Vale lembrar que um torcedor de cativa pode representar financeiramente umas 6 vezes um torcedor de arquibancada. E que esse é um público que os clubes hoje não exploram justamente pela falta de infra-estrutura, de comodidade do torcedor poder chegar e estacionar o seu carro dentro do estádio.

Essa é uma leitura leiga tentando desmistificar o assunto. O fato é que mesmo não sendo doutor em empreendimentos, é fácil notar que construtoras preferem pagar R$80 milhões num terreno congestionado como o da Marginal a fazer um estádio em um terreno gratuito que o Corinthians já possui. E isso, por dedução, leva a crer que estudos geográficos devem apontar que um gasto de R$80 milhões no terreno de uma região nem tão melhor assim, por algum motivo traria perspectiva de retorno maior do que uma construção grátis em Itaquera, num daqueles casos onde o barato pode sair caro.

Pois bem, analisados estes pontos, eu tendo a ficar com a sugestão do corinthiano Paulo Ferreira, que aponta a Mooca como sendo a solução mais apropriada. O bairro fica numa região central da cidade, porém é sucateado e com muitas construções antigas e abandonadas, onde os preços dos terrenos costumam ser altos. Segundo o corinthiano, o correto pode ser, pagar um preço justo (sem essa de querer realizar negociatas numa obra desse porte) num terreno de galpões abandonados na Mooca e construir o estádio ali mesmo. Mas aí, seria preciso querer de fato construir um estádio e não mais uma maquete com finalidades políticas.

Uma coisa é certa, não só pelo absurdo que é um clube como o Corinthians não ter estádio, mas o Timão precisa se livrar logo do aluguel e conquistar o sonho da casa própria. Isso seria garantia de muitos benefícios para o clube, que tendo local certo para mandar seus jogos, pode lucrar, por exemplo, com a publicidade de placas. Ou então, basta analisarmos o exemplo do Atlético Paranaense para ter noção da questão. No Paraná, o Coritiba reinava quase absoluto. Mas foi só o CAP começar a usar sua arena que a torcida aumentou e hoje está empatada com a do Coritiba, alguns acham até que já ultrapassou. O Atlético Paranaense também conquistou um campeonato brasileiro, e se não fosse o trabalho extra-campo do São Paulo, tirando o mando de jogo deles na decisão da Libertadores, talvez tivessem sido campeões da Libertadores e quem sabe, do Mundial. Não creio que o Furacão tivesse conquistado tudo isso se continuasse tendo que mandar os seus jogos maiores no campo do Coritiba. É diferente. Significa autonomia dos clubes, significa que estão prontos para serem grandes clubes de fato, não só de torcida.

Acredito que tendo estádio próprio, “todo corinthiano saberia de cor os números do mesmo: capacidade, primeiro gol, maior público, etc. Teria orgulho de informar onde fica o banheiro, uma lanchonete ou qualquer outra informação. Mas ele precisa sentir que o estádio é do Timão, e portanto, por extensão, dele. O que se vê na Arena Kyocera é isso. Os atleticanos têm orgulho de seu estádio. Têm agenda de visitas, virou um ponto turístico.”

A casa própria do Timão poderia não contar com trinta milhões de lugares, mas certamente, trinta milhões iriam querer conhece-la. Imagino o estádio do Corinthians… Ir a São Paulo e não conhecê-lo, seria como diz o ditado, o mesmo que ir a Roma e não ver o Papa!


18 Comentários so far
Deixe um comentário

Vixe… A Mooca tem uma pá de palmeirense…

Larissa: É…tem…mas como em todo lugar, tem muito corinthiano também. =)

Comentário por jeff

Larissa. É uma pena, mas acho que essa questão do estádio foi levada para a politica.
É óbvio que os partidos digamos mais à direita (se bem que hoje isso é apenas figura de linguagem), preferem que não saia o estádio do Corinthians, para reformarem o Morumbi.
Isso vem sendo articulado a muito tempo pela cúpula tricolor, junto as autoridades e pessoas ligadas ao poder, principalmente as municipais, na sua maioria tricolores.
Todo mundo sabe, que o Presidente da Republica é Corinthiano, e do PT, portanto acho que essa eleição municipal influenciará diretamente nas nossas chances de ter ou não um estádio.
E muito mais, implicará no alinhamento do nosso futuro Presidente, com o futuro Prefeito.
Só temos duas chances a meu ver: 1) fechar algum projeto antes das eleições municipais, ou, 2)torcer para que o alinhamento depois das eleições, direcione para uma cooperação.
Não falo em dinheiro publico, mas em vontade politica, e colaboração.
Sem a combinação desses fatores, Larissa, infelizmente acho que nosso estádio continuará a ser uma quimera.
Pode achar uma teoria absurda, porém eu particularmente, não desconsidero.
Como sou de longe de São Paulo, posso estar equivocado, mas é o que sinto ao percorrer as opiniões sobre esse assunto, em blogs, e outras midias. Que o São Paulo, está jogando pesado, isso está. Não se veem criticas veementes mesmo com a pretensão dos Bambis, em dinheiro publico.
Ainda bem que entrou o Palmeiras nesse meio, para dar uma aliviada. Agora eles tem outro inimigo a combater, e talvez a barra fique mais leve para nosso lado.
Pode notar, que daqui a pouco vão criar obstáculos para o estádio do verdão.
Afinal, o projeto deles é mais real, foi aprovado, e é o que deve ser bombardeado primeiro, (eu acho). Vão pipocar criticas e o diabo, sobre qualquer projeto ou intenção.
Essa referência do Morumbi para a copa, eu li em uma noticia (não me lembro bem onde), quando o São Paulo, ganhou uma taça Toyota lá prá tras.
Prá você ver o que é articulação politica.
Abraços e parabens pelo tema, realmente de máximo interesse a todos nós corinthianos.
E nossos inimigos são muitos.

Larissa: Concordo em muitos pontos Jarbas. Com toda certeza, uma obra envolvendo milhões, no Brasil, costuma virar interesse político. Sabemos que o Morumbi foi construído com dinheiro público desviado por um governador bambi e safado. Também sabemos que o PT está envolvido até o pescoço com o Corinthians. O presidente não é somente corinthiano, como é conselheiro vitalício do clube, bem como outras pessoas de altos cargos no Partido dos Trabalhadores. E que estes, são próximos a Andrés Sanchez. Não tenho dúvidas que há muito interesse para que o estádio do Corinthians não saia, bem como, para que saia. E enquanto eles se degladiam em guerras políticas, nós, pobres sofredores, continuamos sem realizar o sonho da casa própria. O clube continua pagando aluguel e perdendo receitas e o time, por conseqüência, continua enfraquecido em campo.

Comentário por Jarbas

Com o intuito de fomentar a geração de emprego e renda na região onde vivem 4,5 milhões de pessoas, a Prefeitura de São Paulo ampliará o Programa de Incentivos Fiscais para a Zona Leste. O prefeito acompanhou no dia 27, na sede da Subprefeitura de Itaquera, a apresentação do projeto de expansão da área de abrangência do Programa e também de um Pólo Institucional que será instalado na região.

O Programa de Incentivos Fiscais para a Zona Leste, cujo projeto de ampliação foi enviado à Câmara Municipal, tem como objetivo estimular a instalação de novas indústrias, comércios e prestadores de serviços ao longo dos eixos da avenida Jacu-Pêssego, da Linha Vermelha do Metrô e da Linha E da CPTM, bem como apoiar as empresas já instaladas na região.

As empresas que aderirem ao Programa terão redução de tributos pelo prazo de 10 anos. Impostos como o ITBI e IPTU terão uma redução de 50% e o ISS de 60% (respeitando o mínimo legal de 2%). Também será emitido um Certificado de Incentivo ao Desenvolvimento, que dá direito a 40% do valor dos investimentos para atividades comerciais e de até 60% para atividades industriais e de prestadores de serviços.

O Programa de Incentivos Seletivos com incentivos fiscais para estimular a instalação de empresas na Zona Leste foi criado pelo Projeto de Lei nº 14.654, em outubro de 2007. O projeto, aprovado na íntegra pela Câmara Municipal, abrangia apenas os bairros de São Mateus e Itaquera, numa área de 15 milhões de metros quadrados. A nova versão amplia a área do Programa para os bairros de Ermelino Matarazzo, Guaianases, São Miguel Paulista, Itaim Paulista e Cidade Tiradentes, totalizando uma área aproximada de 24 milhões de metros quadrados.

Pólo Institucional de Itaquera

Com o objetivo de suprir a carência da população da Zona Leste e dar apoio ao desenvolvimento econômico da região, o Pólo Institucional de Itaquera prevê a instalação de uma série de equipamentos culturais e de capacitação profissional que oferecerão diversos serviços à população. Dentre eles, a implantação do edifício do Centro Paula Souza, onde serão instaladas uma unidade da Etec e outra da Fatec; uma incubadora de empresas e um conjunto de laboratórios que servirão como apoio às indústrias que se instalarem na região.

A sede do Fórum de Itaquera será transferida para o Pólo Institucional. No local também serão criados um Centro Cultural da Juventude, um Centro de Convenções e Exposições, uma praça de alimentação e serviços, praças e áreas verdes, ciclovias, parque linear, entre outros serviços. Será implantada ainda uma estação rodoviária, que concentrará viagens ao Terminal Tietê. O projeto deverá levar cerca de dois anos e meio para ser concluído.

é linda tudo (a rodoviaria , fatec ,etec, senai,forum, sera construido nesse terreno que vc mencionou
itaquera esta em puro e abundante crescimento
Pode pesquisar!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Larissa: Isso tudo é muito bom Davi. E já não era sem tempo. Uma região carente como Itaquera e cercanias, precisa mesmo de investimento. Só não acredito que, pelo menos por enquanto, isso altere algo nos fatores: distância do centro, renda per capita, que somados levam a série de fatores que já conhecemos. É nítido que projetos estapafúrdios na Marginal, num terreno mais caro e num lugar nem tão melhor, são preferidos por construtoras. Isso deve significar alguma coisa não? Ademais, se o problema fosse apenas “local”, o Corinthians já teria estádio há uns 60 anos. Quem sabe até estivéssemos pensando numa arena multiuso agora. Sabemos que o problema é a má-vontade (pra ser educada) dos nossos dirigentes. O exemplo dos projetos atuais que usei visam apenas mostrar que o problema é que nem sempre querem construir um estádio pro Timão. Muitas vezes é manobra política. E há muito interesse político também para que este estádio não saia do papel.

Comentário por DAvi

Oi… Como disse o Jeff, na Mooca há muitos palmeirenses, e não é um estádio que influenciará alguém de uma família palmeirense a torcer por outro clube … Mas claro que há muitos torcedores que escolhem o time na infância por uma fase vencedora, e o estádio está inserido nisto, concordo com você… Tanto o Palmeiras como o Corinthians ganharão em vários sentidos com suas arenas, que serão pontos turísticos…

Quanto à localização, penso que Itaquera seria um local viável, já que a maioria da torcida corintiana se encontra na zona leste e seria até mais simples, principalmente pelo metrô, do que ir ao mal localizado Morumbi. No Tatuapé e na Penha há uma presença cada vez mais crescente de classe média alta, que certamente preferiria ir a este estádio próprio e mais próximo do que ao Morumbi. Os estádios mais bem localizados são o Pacaembu e o Palestra Italia; este de Itaquera, por ser ao lado de um metrô e na região mais corintiana, embora não seja em uma região central como o estádio em que vocês mais atuam, teria vantagem sobre o frio estádio do Jardim Leonor.

bjs alviverdes,

Daniel

Larissa: Não sei Daniel. O que ouvi de pessoas do ramo é que um estádio naquela região seria inviável em termos de retorno, principalmente, por restringir seu acesso ao metrô praticamente. Mas enfim…queremos um lugar para o Corinthians mandar seus jogos. Porque é importante, é necessário. Não visamos uma disputa com as meninas da Vila Sônia do tipo: “oh! O meu é melhor que o teu!”.

Comentário por Daniel

O Datafolha tem realizado uma pesquisa onde aponta as maiores torcidas por bairros e como era de se esperar a fiel alvinegra tem levado vantagem em todas as zonas da cidade, embora raramente perca apertado em um ou outro bairro.

Acredito que Mooca e cercanias não devem trazer surpresas quanto ao domínio da torcida do Corinthians, é ficar no aguardo pelos números.

Larissa: É. A Mooca é um bairro tradicionalmente de italianos, por isso, diz-se ter muitos palmeirenses. E também tem o Juventus (risos). Mas ter uma concentração maior de palmeirenses não significa que a de corinthianos seja menor, já que as proporções das duas torcidas são bem distintas. Também estou no aguardo pelos números do Datafolha. =)

Comentário por Shadow

Larissa, a Mooca, apesar de ser uma região em renovação com relação aos antigos galpões, apresenta algumas desvantagens quanto à construção de um estádio. Haverá empecilhos quanto à aquisição de um terreno compatível com a construção de um estádio (na minha mente só me vem um único espaço com as dimensões necessárias, na Rua Dianópolis), além de uma possível obstrução dos moradores do bairro.

Já as restrições com relação à Itaquera são discutíveis. Ter uma linha de metrô próxima é uma vantagem considerável, sem contar as inúmeras avenidas próximas à região, como a Av. Jacu Pêssego e a Radial Leste. E os mesmos corinthianos que hoje atravessam a cidade para ver um jogo no Morumbi, um lugar com estrutura ruim para aproximação e acesso, certamente o fariam para ir ver um jogo em Itaquera. Sem contar o fato de que um investimento deste porte atrai mais investimentos de infraestrutura ao redor do estádio, como hotéis, restaurantes, linhas de ônibus extra, entre outros.

O que ocorre é que os diretores alvinegros tem preferido projetos de monta maior, que exigem compra de terrenos além da construção em si, pois assim podem exigir comissões maiores, como as que constavam na agenda mágica do Sr. Edgard Soares. Nesse assunto, infelizmente, falta objetividade e inteligência (até mesmo pra usar a pseudo-influência do governo federal) e sobra oportunismo.

Parabéns pelo seu blog, o conheci através do Blog do Paulinho e o seu segue uma linha mais próxima do que penso sobre o meu amado clube.

Um abraço

Comentário por Pachecão

Larissa

A Folha de S. Paulo tem publicado um caderno interessante sobre a cidade de São Paulo, chama-se DNA Paulistano. O caderno vem encartado no jornal aos domingos.
Traça um oerfil da cidade de São Paulo, cada caderno mostra o perfil por região da cidade, dando uma idéia adequada de negócios, população, política, de cada pedaço da cidade.
No domingo, 24 de agosto o perfil, foi no fundão da Zona Leste e chegou em Itaquera. Interessante é que tem um projeto de estádio, arena multiuso na região que não tem nada com o Corinthians, e que pode até sair antes do estádio Corinthiano. O projeto é do arquiteto, Daniel Chang Yuan e a construção do estádio, está ligado há um parque e há um conjunto habitacional. Te escrevo que a plnata é linda.
Interessante ainda nesse caderno da Folha, é o perfil do torcedor paulistano. E acho que a Mooca não é tão palmeirense assim. Por sinal até agora, a torcida Corinthiana, manda bem em quase toda cidade. Deve ter sido derrotada em três ou quatro bairros da cidade.

Comentário por pedro geraldo

Larissa e Pedro

Fui eu quem desenhei um estádio no terreno de Itaquera, como Trabalho Final de Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Li este post “Estádios de papel” e achei muito abrangente a ánalise. Parabéns! Naturalmente, discordo da inviabilidade do estádio em Itaquera. Acho o terreno geograficamente propício, e sua localização urbana também. Muitos estádios na Europa foram construídos na periferia da cidade, distantes do centro como é Itaquera, como uma estratégia para o desenvolvimento da cidade, que deve sair do centro consolidado e criar novos centros, novos pólos de atividades e equipamentos, capazes de atrair investimentos e infra-estrutura para essas regiões carentes, fazendo a população circular por todo o território desta imensa metrópole.
Se tiverem interesse, posso mandar algum material do trabalho, ou da publicação mencionada pelo Pedro, para continuar esta troca de informações sobre este grande tema.
Obrigado pela menção!

Daniel

Comentário por Daniel

Olá, Daniel. Eu gostaria sim. Pode mandar no email lara_psicologia@hotmail.com … Vamos conversar e ver o teu projeto, quem sabe faço um novo post sobre isso no blog.

Abraços alvinegros.

Comentário por Larissa Beppler

Sei que a sua intenção não é ter um estádio pra competir com o Morumbi, só entendo que um estádio em Itaquera seria viável e melhor à torcida de vocês que ir ao Morumbi, e que não haveria perda no que se refere a cativas e numeradas, conforme disse. Mas não li qualquer estudo a respeito.

Quanto à questão da Mooca, sobre torcida, acredito que provavelmente lá haja, de fato, mais corinthianos, já que, há muito, não é um bairro com a maioria ou quase totalidade de nós italianos, tradicionalmente o maior contingente dentre os 18 milhões de torcedores do Verdão (embora todos saibam que a torcida do Palmeiras, desde a década de 40, tenha penetração em todas as etnias e em todas as camadas sociais); o Brás, por exemplo, bairro próximo e até quatro, cinco décadas exclusivamente italiano, onde nasceu o meu pai, hoje tem predominância de nordestinos, coreanos e bolivianos.

Ciao

Comentário por Daniel

Larissa. Também li sobre as restrições economicas à Itaquera. Questões de retorno a investidores.

A menos, como disse o amigo ai cima, que o local esteja se desenvolvendo e com potencial.

Tem uma certa lógica. Locais com maior retorno, já podem ter sua capacidade de exploração esgotada, ou no limite do crescimento.

Em contrapartida, um local com potencial futuro (afinal a obra é para mais uns 4 anos), em termos de investimento pode ser interessante.

Não conheço esses estudos, e acho que não se deve escolher local por razões de simpatia, e sim de viabilidade economica.

Já pensou manter um negócio desses, com déficit?

Comentário por Jarbas

A Moóca é NOSTRA!!!!!RSRSRS
Seria HILÁRIO o estádio corintiano em nosso reduto…tá, como você falou, também tem os corintianos “italianos” mas o verde PREDOMINA…

Comentário por Alviverde/SP

Tenho um tio em Itaquera, e ouvi bastante, MUITOS rojões espoucarem quando o Verdão ganhou o Paulista quando estive lá, hein?? Reduto alvinegro, mas também não tem tão pouca PORCADA lá, não…rsrsrsrs

Comentário por Alviverde/SP

Bom, tá certo, o verde predomina AINDA na Moóca, mas nem tanto agora, quanto até a década de 80…tudo por causa dos DESMANDOS e a INCOMPETENCIA das diretorias do Palmeiras daquela época, o que fez arrefecer o PALESTRISMO no bairro…o que se constata(tristemente) é que aumentaram significativamente, os são-paulinos dentre os netos da colonia italiana do bairro, mais do que os outros clubes, a partir de meados da década de 80, devido à sucessão de títulos que eles ganharam até início da década de 90, e agora, em meados dos anos 2000…resta conferir a FIDELIDADE destes jovens torcedores em tempos difíceis daquele time…

Comentário por Alviverde/SP

Tenho muitosss amigos Corinthianos na mooca. Somos maioria em todos os lugares….

Comentário por Evandro

larissa esse é o local que se transformaqra em uma zona frutifera para são paulo daqui a tres anos e ja esta anunciado
obras para o parque rio verde que se ligara ao maior parque de são paulo, O parque do carmo em itaquera ja começaram
mais o q é q tem a ver com o corinthians?

Estou postando como ficara a area ao lado do polemico terreno do corinthians em itaquera
como pode ver , sera realmente lastimavel se os dirijentes não olharem para essa região com bons olhos para a construção do estadio do timão
sera uma pena
pois sera uma belissima, acessivel e nobre regiao
contradizendo os que dizem que itaquera não é um bom negocio para o estadio do todo poderposo timão
http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?p=27767278

Larissa: Interessante, mas ainda penso, devido a todos os pontos que analisei com profissionais da área, que não será considerado um investimento lucrativo para os interessados em patrocinar um estádio. Todavia, envie ao clube suas considerações, nunca se sabe. Mas, ao que tudo indica, depois de quase sem anos prometendo estádio e incutindo o sonho da casa própria na Fiel irão mesmo arrendar o Pacaembu. Abraços alvinegros.

Comentário por Davi

Acho que a construção do estadio se for com dinheiro púlbico não sou a favor!!!

Comentário por andre fagundes

Otimo texto mas eu sou a favor da reforma no Parque Sao Jorge, seguindo a logica de que o clube social da prejuizo, nada mais justo acabar com o que nao da lucro aO SCCP. Enfim acho que e um sonho que nao sera realizado.

Comentário por Renato Ragazzini




Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: