Corinthians: Preto no Branco


Difícil Entender
outubro 18, 2008, 2:31 am
Filed under: Uncategorized

A negociação envolvendo o lateral-esquerdo André Santos, o Corinthians e a Turbo Sports foi difícil de entender. Um festival de fatos ora omitidos, ora revelados e ora distorcidos. Como o conflito de informações era nítido em cada notícia veiculada, preferi esperar para comentar a respeito, mas vamos aos fatos:

Dias atrás, o Corinthians negou que a empresa Turbo Sports foi quem comprou os 50% dos direitos de André Santos e repassou 20% disso ao clube.

O diretor de finanças, Raul Correa da Silva, afirmou que o Corinthians realizou o negócio com a empresa do Figueirense que faz a gestão do futebol e que em seguida, vendeu à Turbo 40% dos direitos pelo mesmo valor que tinha adquirido os 50%. Vendeu a prazo e recebeu à vista, segundo o diretor. E não quis comentar sobre os valores que envolvem a negociação, segundo Raul Correa, a política do clube é não revelar esse tipo de valor. Claro: ética e transparência, sabe como é?

Agora, a empresa Turbo Sports, ou melhor, seu representante jurídico, resolveu esclarecer alguns pontos sobre o negócio. Revelou que os investidores não querem aparecer por questão de segurança e afirmou achar exagerado dizer que Olivério Júnior, ex-assessor de imprensa de Andrés Sanchez, tenha apresentado o grupo ao clube. Totalmente sem noção, Olivério Júnior desmentiu o advogado da Turbo, no programa Estádio 97, dizendo que já teria intermediado negociações entre o Corinthians, o grupo SONDA e também a Turbo Sports.

Complicado não?

O fato é que depois de todo o imbróglio com a MSI, essa falta de transparência só pode gerar suspeitas mesmo.

Enfim, em tese a empresa Turbo Sports comprou 50% dos direitos federativos de André Santos que pertenciam ao Figueirense, ficou com 40% e os outros 10% foram repassados ao Timão, numa negociação nebulosa e repleta de notícias desencontradas.

Há quem considere tudo isso normal no futebol balcão de negócios de hoje em dia. É comum, mas não é normal. Aí podem citar a Lei Pelé e o que mais quiserem, mas o fato é que, ao contrário do bonito discurso que proferia Andrés Sachez sobre “Corinthians Independente”, viramos uma camisa de aluguel sim! E com custo de 10%.

E não nos esqueçamos de que é o clube quem paga o salário do jogador, ou seja, caso ocorra algum problema, quem vai se dar mal na Justiça do Trabalho, pra variar, é o Corinthians. E, ao analisar por esse ângulo, o melhor seria fazer negócio com a MSI mesmo, esta além de deixar claro o aluguel da camisa para promoção dos seus “produtos”, ainda pagava os salários dos jogadores. Mesmo assim, todo mundo caiu matando em cima da parceria, então, por que é que agora se tornou vantagem realizar esse tipo de negócio? Agora é normal? Repito: é comum, mas não é normal e, considerando a forma como as coisas são conduzidas, tampouco correto. Digo mais, em minha opinião, também não traz qualquer vantagem para o desenvolvimento e profissionalização do clube que, depois de realizar inúmeras negociatas e parcerias suspeitas, só fez regredir até parar na segunda divisão, pra terminar de manchar o nome do Sport Club Corinthians Paulista.

Anúncios

5 Comentários so far
Deixe um comentário

Acho que sou burro mesmo.

Como o Corinthians detinha o direito de compra até 31/12, e não tem condições financeiras de comprar os 50% que estavam com o Figueirense, anuiu com esses investidores em efetivar esse direito, exigindo 10% dos direitos economicos do jogador.

Ou estou ficando idiota, ou existiria opção melhor de negociação aos interesses do Corinthians?

Estou concluindo que há um surto de síndrome MSI, e pelo visto crônica, onde até o Presidente destemperado informou que foi o “Kia que comprou”, como que antevendo as criticas.

Acho nossa Diretoria ruim, principalmente na comunicação, que é pobre mesmo, e até quando faz um bom negócio (imaginem se não tivessem exercido essa preferência até 31/12) é passivel de criticas e o que é pior, suspeitas.

Nesse caso, fica bem patente a crise de comunicação que o Timão enfrenta, a verbalização é sofrivel.

Enfim, mais uma “suspeita”, que a exemplo daquela dos 600 mil, alardeada com trombetas, acabou na prática referendada pelo CORI.

Vai passar o recibo nessa também, não tenho dúvidas.

Aqui no interior, negócio bão, nóis chama de “rolo”.

“Fiz um rolo com minha motoka, a troco de um fusca 68”.

Larissa: É Jarbas, este é o preço que se pagar por alardear transparência e manter obscuridade. Mas, melhor que seja assim, com atenção redobrada. Gato escaldado sente medo de água fria, sabe como é? Então.

Comentário por Jarbas

De fato é difícil entender, assim como tudo que essa diretora faz.

Só não é difícil entender porque o Corinthians tem a dívida que tem e foi parar na divisão que está disputando pelas mãos dessa gente.

Sim… Dessa gente, porque não venham me falar que tem gente diferente hoje do que tivemos nos ultimos 14 anos no comando.

Larissa: Não tenho nada mais a acrescentar! Abraços…

Comentário por Paulo (Shadow)

Para um clube que vai completar 100 anos daqui ano e meio, e não conseguiu construir seu estádio, dá para imaginar a “qualidade” das ultimas administrações.

Só para exemplificar essa “qualidade”, vejam o contrato feito com a Nike, absurdamente longo e baixissimo, e ainda hoje, incrivelmente é considerado como uma “ótimo” pelos gestores daquela época.

Sem contar os esqueletos que estavam nos armários, com ações de jogadores como o Renato (aquele do Flá), entre outros, que pipocam todos os dias nos tribunais.

Créditos que viraram débitos (caso Marcelinho), penhora do PSJ, (caso Luizão).

Não dá nem para citar o caso Nilmar, de tão absurdo que foi.

Dá prá ver, que os sucessos obtidos em alguns titulos, foi com dinheiro de parceiros como a Hicks e a MSI.

Incompetência administrativa nos ultimos 15 anos levaram ao cáos que hoje se verifica.

E o que é pior, querem voltar ao poder.

Como é dura a vida do Corinthians, e depois querem que ele se levante. Como?

Se todo mundo empurra prá baixo?

Larissa: Todo mundo não. A torcida está sempre puxando pra cima. Infelizmente, não é da nossa alçada a política no PSJ. Porque como você comentou, não só querem voltar ao poder, como continuam nele. Uma lástima.

Comentário por Jarbas

Claro que todo mundo não (fui mal nessa). Aliás vou além de você, acho que a grande maioria empurra prá frente.

Uma pequena minoria, concordo com você, insiste em empurrar prá baixo, e normalmente essa minoria tem poder de alguma forma, o que é péssimo.

Nesse caso, fico com a maioria. Nunca erro.

Comentário por Jarbas

Em tempo, apenas completei o pensamento do Shadow que disse “Sim… Dessa gente, porque não venham me falar que tem gente diferente hoje do que tivemos nos ultimos 14 anos no comando.”
É a mais absoluta verdade, e que você disse nada a acrescentar.
Também, posso me reportar a um comentário seu, em outro post, onde disse preferir nomes novos.
Concordo plenamente, e nada a acrescentar também.

Comentário por Jarbas




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: